sábado, 17 de janeiro de 2015

Holanda: Amsterdam

No mesmo dia que fomos a Kinderdijk (um local para se ver de perto os famosos moinhos de vento holandeses, sobre o qual falei ontem aqui), fomos a Amsterdam para passar o resto do dia. Não preciso nem falar o quanto amo aquela cidade, estar de novo lá foi incrível. Apesar de ter já ter ido em 2011, dessa vez com certeza pude absorver mais memórias. 
Um tipo de moradia muito comum lá (e em outras cidades da Europa também) é o barco-casa. Eu realmente me esqueci porque isso se tornou tão comum, mas atualmente existem 2500 casas flutuantes em Amsterdam.
Fizemos um tour de barco pelos canais, pela empresa Eco Tours. Custou €15 por pessoa e teve uma hora de duração, e inclui audio em português (de Portugal). No barco passamos por diversos canais e locais importantes, conhecendo bastante da história e arquitetura da cidade. 

O barco abaixo (azul, onde está escrito GVB) é o meio de se transportar bicicletas por água, as quais   inclusive é o meio de transporte mais usado na cidade, tendo o número de 1,6 milhões - que é superior ao número de habitantes. 
Claro que todos que conhecem Amsterdam devem saber que uns dos principais atrativos turísticos da cidade são: o fato de a maconha ser legalizada e as ruas com as prostitutas na vitrine, o famoso Red Light District. Sendo ambos tão chamativos, obviamente o que mais tem -em lugares específicos- é isso escancarado para os turistas. Coffeeshops (é o lugar para se fumar maconha na Holanda, que apesar de ser legalizada, não é Legal sair fumando pela rua como), lojas de objetos eróticos, shows pornôs ao vivo, casas de strippers, e coisas do gênero. Nunca vi tanto pênis de borracha na vida. Tudo isso no Red Light District, que existem diversos, mas o mais visitado por turistas é o De Wallen (e é o que eu fui). 

Uma dica para quem quer comprar é a rua Kalverstraat, lá tem lojas como Urban Outfitters, Forever 21, Monki, Mango, Zara, H&M e muitas outras. 


Bom, esse post foi bem mais para lhes dar uma idéia visual da cidade do que informativa, na verdade, o que se tinha para falar da cidade eu só acrescentei.